Porque a empatia é tão difícil hoje em dia? Como sanar essa “dor” no mundo corporativo?- Por Lucedile Antunes

A empatia nas relações profissionais, bem como desenvolver habilidades como a inteligência emocional no mundo corporativo, estão em alta.

Contudo, o fato dessas Soft Skills serem tendências no mercado, não significa que seja algo fácil de desenvolver e aplicar, não é mesmo? 

Na verdade, sobretudo no que se refere a empatia, seu grau de necessidade reflete exatamente uma dor, no sentido de ser uma habilidade considerada escassa no âmbito empresarial.

Afinal, porque é tão difícil encontrarmos empatia nas interações modernas e no cenário dos negócios? O que podemos fazer para reverter esse quadro? 

Ninguém menos que a maior referência do Brasil em Soft Skills, a inigualável Lucedile Antunes, nos mostra a seguir. 

Para Daniel Goleman, está faltando empatia nas interações modernas

Considerado o “pai” da inteligência emocional, Daniel Goleman publicou recentemente um artigo, onde consta algo que também percebemos por aqui: falta empatia nas relações de negócios e trabalho. 

Mas, qual seria o motivo dessa falta? Porque é tão difícil nos relacionarmos de forma mais empática? 

Antes de mais nada, quem acompanha meu trabalho, já sabe que autoconhecimento, inteligência emocional, comunicação,  capacidade de trabalhar bem em equipe, são alguns exemplos de Soft Skills, certo?  Habilidades como essas estão se tornando cada vez mais importantes no ambiente de trabalho moderno.

Especialmente para aqueles que atuam como líderes e cargos de chefia e liderança, uma habilidade considerada primordial é exatamente a empatia.  

Apontada também como uma qualidade que a maioria dos empresários admite como essencial para interações humanas positivas, dentro e fora do escritório e do âmbito corporativo, uma parcela considerável de líderes nem sempre sabem como explorá-la.

Entendendo por qual motivo é tão difícil termos empatia nas relações 

Na verdade, alguns profissionais não direcionam maiores esforços na questão da empatia,  por nutrirem a equivocada crença de que se trata de algo  “sensível” para os negócios.

Daniel Goleman menciona o seguinte acerca da empatia na atualidade:

“O cérebro humano foi projetado para interagir face a face. Com isso, nos permite a chance de responder à comunicação de uma maneira muito mais empática.”

Ou seja, na comunicação presencial, nossos cérebros consideram as palavras, expressões e contexto de nossas interações, inibindo impulsos negativos e melhorado a capacidade de compreensão.

Porém, ao interagimos no mundo online, algo que está a cada dia se tornando nosso modo padrão de comunicação, algo se perde. Perdemos as pistas que, de outra forma, desencadeariam nossa empatia.

Quantas vezes você não pensou que alguém estava furioso com você, devido um e-mail ou mensagem enviada, quando, na verdade, isso não aconteceu? 

Sem contar às vezes em que alguém interpretou mal seu tom em um texto e demais comunicações online? 

Se a realidade nos mostra que o mundo está se tornando cada dia mais digital e de certa forma impessoal, é preciso promover estratégias que garantam com que as interações sejam mais humanizadas e obviamente, com maior empatia. 

Algumas dicas para se tornar um líder com mais empatia, você confere a seguir:

Procure reconhecer diferentes perspectivas 

Quando você deixa de ouvir seus funcionários e clientes, via de regra, é levado a tomar uma má decisão nos negócios, impactando negativamente todo seu empreendimento.

Para desenvolver e aprimorar a empatia nos negócios, procure acima de tudo, entender o sentimento do seu negócio. Tente reconhecer diferentes perspectivas,e considere-as, concordando ou não com elas.

Se comunique 

Procure não ter medo de expressar o que pensa, o que sente, o que precisa. Faça uma avaliação de Inteligência Emocional para saber mais sobre sua própria capacidade de empatia. Desenvolver o autoconhecimento é fundamental neste sentido.

Pergunte, ouça, reflita

A melhor maneira de entender como alguém está se sentindo é perguntar, certo?  Tome essa inciativa, ao invés de ficar no plano dos achismos e  suposições. Pergunte, ouça e reflita. Gere conexão.

Antes de encerrar, considere as seguintes ações: 

  • Crie o hábito de expressar sua apreciação pelos colaboradores, diariamente;
  • Pergunte a si mesmo: “O que essa pessoa está sentindo?” especialmente naquelas situações complicadas;
  • Seja fiel às suas promessas;
  • Fique ciente do impacto que você tem sobre o seu time.

Que tal construirmos um ambiente corporativo mais empático? Conte comigo e com minhas palestras para juntos, trabalharmos as Soft Skills em sua empresa e conquistarmos resultados extraordinários! Até a próxima e não esqueça de compartilhar este artigo com seus contatos. 

Pensar em soft skills para liderança humanizada, é pensar nas palestras de Lucedile Antunes 

Sempre à frente das transformações e rumos do mercado, Lucedile Antunes conduz líderes a jornadas de intensos aprendizados e desenvolvimento profissional.

Não por acaso, as palestras de Lucedile imprimem competência e dinamismo de quem realmente compreende os desafios da gestão organizacional.

 Acesse o seu perfil e conheça mais sobre seu incrível trabalho.

Escrito por

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Quem palestrou?

Você precisa absorver muito conteúdo mas não encontra tempo para ler?

Milhares de pessoas tiveram uma experiência transformadora ampliando os limites do foco e da memória. Agora é a sua vez!

Clientes