Palestras de Sucesso Entrevista Marco Pimenta

1- Grande palestrante Marco Pimenta, é um enorme prazer recebê-lo para essa conversa que, certamente será muito enriquecedora para todos nós. De início, alguns temas como de Gestão de Equipe, Comunicação e Inteligência Comportamental, estão entre as habilidades que uma liderança assertiva deve priorizar. Como você enxerga a necessidade dessas soft skills para quem ocupa cargos de liderança e quais dicas você daria para um líder se empoderar dessas habilidades e colocá-las em prática na empresa?

Agradeço o convite para esse bate-papo e a oportunidade de conversarmos sobre assuntos tão interessantes e importantes como esses. Gosto muito do assunto Competência!

Isso me remete a tudo que tenho me dedicado para alcançar os Resultados que desejo.

As três competências que foram citadas – Gestão de Equipe, Comunicação e Inteligência Comportamental – são três das cinco soft skills mais desejadas pelas Empresas nos últimos 2 anos e são essenciais para um Líder se tornar referência, aumentar a performance das pessoas e consequente resultado de uma organização.

É importante ter clareza que quando se diz “soft skills mais desejadas pelas Empresas”, é preciso entender que os negócios são dinâmicos, as realidades mudam constantemente e, portanto, existem exigências de competências flutuantes no mundo corporativo.

Sendo mais prático e menos romântico, vou abordar as três competências pela sequência que acredito devam ser priorizadas para quem quer se tornar referência em Liderança.

Primeiro: sobre Inteligência Comportamental, Peter Drucker afirmou que “as pessoas são contratadas pelas suas habilidades técnicas, mas são demitidas pelo seu comportamento”. Não somente concordo como constatei na prática. São mais de 16 mil Entrevistas de Emprego realizadas e já efetuei aproximadamente 300 desligamentos.

Desligamentos em sua maioria acontece pela inabilidade das pessoas não terem Inteligência Comportamental desenvolvida o suficiente.

Cabe ao Líder incentivar isso em sua equipe. Considero que é a característica presente nos melhores Líderes que trabalhei ou conheci, e por isso mesmo cito como principal característica de um Grande Líder.

Isso exige autoconsciência! A autoconsciência gera a autogestão, isto é, capacidade de gerenciar suas emoções, principalmente em situações estressantes e ainda manter uma perspectiva positiva mesmo diante de contratempos.

Já imaginou o impacto negativo para os subordinados quando um Líder não possui essa habilidade? Quem trabalha e convive comigo sabe que sob um forte impacto emocional eu me retiro por alguns minutos e faço a seguinte pergunta a mim mesmo: Porque estou sentindo isso deste modo?

Não questiono o estresse ou desapontamento que o fato causou, mas porque minhas emoções foram afetadas daquela maneira tão negativamente? É preciso buscar a causa raiz, pois muitas vezes não é a situação ou acontecimento que te causa chateação, mas a sua percepção daquela realidade. Ao identificar isso, você tem o poder de mudar suas reações e comportamentos, e isso é crucial para tomar decisões sensatas e objetivas quando seu orgulho e autoestima estão em jogo. Isso é Inteligência Comportamental.

Segundo: Com relação à Comunicação lembre-se que é uma via de mão dupla: Fale e Escute. Mantenha um estilo sincero e transparente com seus colaboradores, isso dá clareza às intenções do Líder e gera respeito dos Liderados. Procure ajustar a maneira como você se comunica. Aquele senso comum “vou tratar todo mundo igual” é absurdamente equivocado e contraria uma Lei Natural: a particularidade humana! Se quer ter resultados extraordinários, adapte sua comunicação de acordo com o perfil comportamental e emocional de cada membro de sua equipe. Para alguns você poderá ser mais objetivo, para outros terá que desenhar um cenário antes de ir direto ao ponto. Para uns deverá inspirar autoridade, para outros só conseguirá a adesão se você se demonstrar mais humano e sensível à causa alheia. O “como” você fala pode causar mais adesão ou repulsa de alguém comparado ao “o que” você diz.

Terceiro: para Gestionar Equipes de alta performance é necessário ter clareza de que embora enfrentemos desafios cada vez mais complexos no mundo corporativo, a realização e o sucesso são impactados por um número relativamente pequeno de fatores.

Se os Líderes entenderem quais são esses fatores podem obter excelentes retornos a partir de seus liderados. Uma direção definida que inspire, a composição estratégica da equipe e uma cultura de suporte aos liderados formam o tripé que sustentam uma visão de gestão coletiva sustentável e altamente produtiva.

Quando as pessoas possuem clareza de direção, sabem qual rumo devem seguir, facilita o entendimento do significado do trabalho e das atividades que realizam diariamente. Formar uma equipe com bons talentos exige tempo e um bom processo de Recrutamento & Seleção, além de disposição para Treinamento & Desenvolvimento, e isso não é responsabilidade somente do RH.

Pessoas que se sobressaem em cargos de liderança investem tempo nessas duas atividades, pois sabem que para terem uma Equipe de alto desempenho necessitam de “pessoas certas, nos lugares certos, realizando coisas extraordinárias”, e isso só é possível com planejamento, acompanhamento e interesse sincero pelo desenvolvimento das pessoas.

Por último e não menos importante, um Líder que se demonstra à disposição dos liderados, sem gerar dependência, possui um alto grau de influência e respeito. É preciso manter a subordinação da equipe, porém com uma boa dose de autonomia.

É necessário delegar, porém com acompanhamento, correção, orientação e reconhecimento.

2- Falta de engajamento e comprometimento nas equipes é uma dor recorrente no cenário corporativo. Você como um profundo conhecedor no tema, o que pode ser feito em uma organização para suprir essa carência ou mesmo minimizar os impactos negativos de tal cenário, como a queda de produtividade?

Costumo dizer a meus clientes corporativos que é mais importante entender o que cada indivíduo precisa para desempenhar seu trabalho, em vez de entender porque as pessoas trocam uma empresa por outra. Quando trabalho com Mentoria/Consultoria Individuais para ajudar as pessoas a tomarem decisões importantes de carreira sempre peço que me digam os melhores motivos para permanecerem na organização atual e os melhores motivos para sair. É importante diferenciar os conceitos de engajamento e comprometimento.

O Primeiro é uma Atitude de natureza íntima, é a força da conexão mental e emocional que transmite o Entusiasmo de alguém pelo seu trabalho.

O segundo, por outro lado, demonstra o Entusiasmo de uma pessoa pela empresa que trabalha. Embora sejam conceitos diferentes, são complementares. Com relação à falta de Engajamento, a Gestão precisa entender os reais motivos que levaram seu liderado ao desencanto por suas atividades, afinal funcionários engajados permanecem entusiasmados, satisfeitos e envolvidos em suas atividades.

O Engajamento está relacionado a um melhor desempenho. Embora pessoas engajadas provavelmente estejam comprometidas com a organização, os indivíduos comprometidos não estão necessariamente engajados.

Isso significa que os funcionários engajados terão um bom desempenho e permanecerão motivados e produtivos, enquanto os funcionários que estão apenas comprometidos simplesmente não sairão.

Os Engajados permanecem na empresa porque se identificam com ela, possuem uma ligação emocional com a organização, enquanto as pessoas Comprometidas sentem-se obrigadas a ficar, ou no momento, concluem que custa mais sair do que ficar.

Quando entendemos essas razões, podemos tomar melhores decisões sobre nossas próprias carreiras, e as organizações podem se tornar mais eficazes em melhorar o desempenho em vez de apenas garantir o comprometimento. Por isso a sensibilidade dos Gestores é fundamental para perceberem essa sutil diferença em suas equipes. Compreender a situação através de um diálogo transparente com seu liderado, que demonstre sua preocupação sincera e ao mesmo tempo valorize a importância da pessoa para a equipe e objetivos estratégicos é um caminho que tem garantido o resgate do Engajamento de muitos e a descoberta do Comprometimento por outros. As organizações precisam de Desempenho e os indivíduos precisam de Apoio.

3- Quais estratégias você considera assertivas para despertar no time a automotivação?

A Motivação é inspirada por certezas (objetivas ou subjetivas). A Mente Humana não lida facilmente com a quantidade de incertezas que a humanidade tem enfrentado no trabalho e na vida, ainda mais nesse tempo Pandêmico.

As mudanças constantes e cada vez mais rápidas podem dar a impressão que o chão está mudando continuamente. Todas essas incertezas produzem um estado de ameaça em nosso cérebro, que pode resultar na diminuição da motivação, do autocontrole e bem estar, e isso impacta diretamente no ambiente de trabalho.

Para combater isso, o principal é criar um ambiente de segurança emocional sempre que possível. Verbalizar de forma positiva as intenções e deixar clara a direção estratégica da empresa, e o que se espera da contribuição coletiva e individual são impulsionadores da motivação. Incluir a equipe para ajudar a resolver problemas e definir prioridades é uma boa estratégia que sempre sugiro aos Líderes, afinal as pessoas são motivadas quando sentem que suas opiniões são valorizadas e aceitas e a partir disso se comprometem ainda mais com o resultado final. Incentivar a autonomia do time é outra forma de mantê-los estimulados.

A liberdade para poder gerir a si próprio é para maioria dos funcionários mais importante do que o próprio salário ou benefícios.

Quando alguém se sente no controle e percebem que tem escolha, experimentam maior bem estar. A ausência de autonomia, por outro lado, pode provocar uma forte reação negativa que na maioria dos casos pode diminuir a capacidade de concentração e colaboração.

Criar Conexões nas equipes também é uma maneira saudável, natural e sustentável para se manter a automotivação. Enfrentar desafios juntos e saber que uns apoiam os outros pode aumentar a moral individual e do time. É indispensável promover a cultura do “estamos juntos”. A camaradagem, a amizade, as boas relações no ambiente de trabalho aumentam a produtividade e o engajamento.

4- No início de um negócio, muitos empreendedores pecam exatamente pela falta de um planejamento, e mesmo carecem de gestão emocional. Diante de tal cenário, do alto da sua experiência e habilidade de unir a teoria e a prática, compartilha com nossos leitores: como o autoconhecimento pode ajudar a empreender melhor?

A pergunta mais presente na mente de todo Empreendedor é: como garantir que meu negócio seja bem sucedido? Um dos desafios que levam ao insucesso empresarial é a falta de informação, conhecimento e habilidades. Isso leva à má gestão, má tomada de decisão, e finalmente, à incapacidade de manter o negócio sustentável.

Com maior frequência nos últimos anos tenho realizado Mentoria com empreendedores que sentem dificuldades para alavancar seus negócios. Possuem força de vontade, muitos contam com a paixão pelo ramo que atuam e contam com um capital considerável para investir, mas pela ausência de um bom planejamento e falta de autoconhecimento acabam se atolando em problemas financeiros e emocionais, e transformando uma bela oportunidade de sucesso em uma experiência desagradável e traumática.

Autoconhecimento requer silêncio interno, tempo para autoanálise e coragem para enfrentar a percepção das fragilidades. Ao buscar se conhecer um empreendedor conquista clareza sobre a direção que precisa seguir e as decisões que necessita tomar para que seu investimento tão sonhado possa se viabilizar de maneira segura e crescente. Posso afirmar com conhecimento de causa que 85% dos que buscam empreender não pensam ou não sabem como utilizar o Autoconhecimento em prol de decisões e ações em suas empresas.

Outro indicador que acredito ser importante compartilhar para ajudar nessa reflexão é que aproximadamente 90% dos empreendedores apontam a questão emocional como a principal barreira para o avanço dos negócios.

Mas tenho uma ótima notícia: é possível através de uma metodologia simples, prática e definitiva superar as limitações causadas por bloqueios emocionais. Quando o empreendedor busca o apoio de um profissional para entender como ele mesmo funciona, porque pensa e se comporta de certo modo, qual visão de mundo possui, como seu potencial pode ser aumentado, quais competências devem e podem ser desenvolvidas, quais limitações precisam ser gerenciadas. Todas essas questões podem ser respondidas com apoio de ferramentas de autoconhecimento, realizadas pelo próprio empreendedor com apoio de um profissional.

As Ferramentas garantem que os resultados das análises serão reflexo da realidade vivida, sendo o ponto de partida para a estruturação de um trabalho bem direcionado e bem sucedido. A melhoria constante na tomada de decisão, passa necessariamente pela melhoria da compreensão de si mesmo. O negócio se assemelha ao caráter do empreendedor, portanto, se você que é empreendedor deseja Sucesso, saiba que a jornada para essa conquista começa com você.

5- Durante uma crise, muitos falam sobre ser o momento propício para enxergar oportunidades e se reinventar. Você concorda com essa visão? Como uma empresa que está com dificuldades pode reestruturar seu trabalho ou alavancar seus negócios?

Nos últimos anos estamos vivendo e trabalhando em tempos e condições sem precedentes. A pandemia prejudicou os negócios como jamais visto na história, mesmo com todo avanço tecnológico e científico. Vou buscar um exemplo para te responder no ano 2009, quando no auge da recessão, uma empresa de aluguel de DVD’s (cujo segmento eu frequentava muito por ser cinéfilo) e que percebia a queda da demanda do público, ofereceu a capacidade de transmitir uma quantidade de entretenimento e conquistou 3 milhões de assinantes. Alguns anos depois foi ainda mais ousada e inovadora e acrescentou outro diferencial: criação de conteúdo original (filmes e séries). E hoje, por se reinventar ao enfrentar uma crise, a Netflix (cuja maioria dos leitores dessa entrevista devem ser assinantes) continua a crescer superando 220 milhões de assinaturas, mesmo com reajustes de preços de seus pacotes no início de 2022. A chave para a capacidade da Netflix de se reinventar sempre esteve enraizada em sua capacidade de adaptabilidade, na qualidade de ser capaz de se ajustar a novas condições. O Linkedin (a mais famosa e maior rede social profissional, focada em gerar conexões e relacionamentos) através do Global Talent Trends (relatório que traz tendências do mercado e revela as habilidades sociais mais requisitadas) aponta que a adaptabilidade é agora, mais que nunca, uma mercadoria de carreira e negócios em alta.

Como um grande amigo meu sempre diz “Você tem duas opções: mudar ou se f*****”. Para ter sucesso em um mundo de rápida mudança, você deve considerar mais de uma maneira de pensar ou fazer negócios. Embora eu não esteja sugerindo que você descarte completamente seu modelo de negócios, eu o incentivo a usar esse momento para analisar, reinventar e estar melhor posicionado para o crescimento contínuo em seu nicho de atuação. Baseado nas histórias de clientes que ouço e presencio, e que estão avançando em meio à crise, indico uma metodologia simples, mas altamente eficaz que se resume em 3 passos:

Primeiro passo: Mantenha o equilíbrio emocional e se mantenha confortável com a mudança. Embora isso possa parecer óbvio, para abraçar o novo, você precisa deixar o passado para trás. Vejo que mesmo com as melhores intenções, muitas pessoas são involuntária e inconscientemente resistentes à mudança.

Um teste simples para saber se você está preso em uma rotina é analisar se você se sente saudosista (sempre sentindo saudade do que já se foi), ou se você se pega pensando ou dizendo: “porque sempre fizemos assim” ou “as coisas eram melhores quando nós …”, e então surta quando a mudança acontece. Seja por medo ou por falta de consciência, você resiste a novas formas de fazer as coisas e se volta para os “bons e velhos tempos”.

E essa falta de olhar para o novo, para o futuro e para as possibilidades será a morte de seu negócio. Em vez disso, tente reformular esse incômodo como uma oportunidade de crescimento. Mude sua mentalidade para visualizar o que pode ser e acolher mais facilmente novos resultados.

Segundo passo: Sua visão do mundo (isto inclui o que é e o que poderá ser) pode impactar significativamente o rumo de seus negócios. É a diferença entre aqueles que aceitam cegamente as coisas como elas são (passado), e alguém cuja percepção única cria uma visão do que é possível (o futuro).

Thoreau (respeitado pesquisador, filosofo e historiador americano) era amante da simplicidade e das leis da natureza e resumiu em uma frase a profundidade do que é preciso para se ter uma visão mais elevada: “A questão não é o que você olha, mas o que você vê”.

Para olharmos basta termos nossos olhos em boas condições, mas para vermos nos é exigido profundidade, sensibilidade, tempo e disposição.

As empresas que possuem a capacidade de ver além das aparências das pessoas, produtos e ideias são as mais inovadoras e criativas e são as que os clientes precisam, valorizam e compram. Ao observar o mercado, anote e analise todos os problemas e necessidades recorrentes que surgiram em seu nicho de atuação.

Ouça com o que seus clientes e colegas precisam e estão lutando durante a crise. Considere como você pode alinhar seu conjunto de habilidades ou oferta com a demanda atual: como você pode fornecer seus serviços de uma nova maneira? Existem novas maneiras de uso para seu produto?

Tenha sempre em mente a grande lição de um dos maiores empreendedores de todos os tempos, Steve Jobs: Você não pode simplesmente perguntar aos consumidores o que eles querem e daí tentar dar isso a eles. Assim que você conseguir construir isso, eles já vão querer algo novo.”

Terceiro Passo: Revisite sua história para que você possa entender e atender às necessidades atuais. Quando se busca reestruturar um negócio, pode ser tentador falarmos sobre o que e a maneira como você sempre fizemos. Evite! Resista a esse hábito! Em vez disso, seja implacável e aumente pensamentos e sentimentos em prol do que você está disposto a fazer. Lembre-se, não se trata de você, mas de como tornar mais fácil para potenciais clientes entenderem como você pode ajudar a resolver os problemas atuais ou futuros deles.

Você tem uma histórica única que o diferencia de seus concorrentes, destaca seu valor e atrai pessoas para você e seu negócio.

Conhecer e ser capaz de articular isso de uma maneira atraente, especialmente quando você se reinventa é transformador. Use isso a seu favor e com sabedoria.

6- Quais ferramentas você indicaria para aquele profissional que precisa investir na Carreira e está em busca de oportunidades no Mercado de Trabalho?

Uma pesquisa recente da Pew Reseach Center (organização que realiza pesquisas em todos os continentes sobre tendências que moldam o mundo), descobriu-se que 87% dos trabalhadores acreditam que será essencial realizar treinamento e desenvolver novas habilidades ao longo da vida para acompanhar as mudanças e conseguir um crescimento na carreira. O que me chamou atenção nessa pesquisa é que apesar do alto índice de consciência das pessoas sobre a necessidade de qualificação para avançarem na vida profissional, 77% dos entrevistados não fazem ideia por onde devem começar.

Portanto, esse é um fenômeno mundial, próprio do modelo de educação atual. Aprecio muito o Linkedin, acredito que seja uma ferramenta que amplia nosso networking. Podemos trocar informações relevantes com base na colaboração e ajuda mútua, incluindo diferentes atividades voltadas à carreia e negócios.

O Linkedin é uma ferramenta poderosa, ainda desconhecida ou mal explorada pela maioria das pessoas, mas em se tratando de vida profissional e mercado de trabalho, é a rede social perfeita para quem busca oportunidade e desenvolvimento.

7- Propósito de Vida é um termo em voga no momento. Você comenta que “um Trabalho, uma Carreira, só possui significado quando gera desenvolvimento e realização para nosso semelhante.” Conta pra nós, você que já descobriu o seu propósito: quais são as etapas necessárias para que cada pessoa encontre aquilo que a faz seguir, dia a dia?

Um colaborador que sabe seu propósito, consegue agregar quais benefícios à empresa? Acredito que é comum que muitos de nós não levantamos da cama todas as manhãs impulsionados por nossa principal razão de ser e existir.

Muitos, inclusive, aceitamos sem nenhuma vergonha moral colocar a “soneca” em nossos alarmes o máximo que podemos antes de arrastarmos nosso corpo cansado para fora da cama. Triste realidade! Aos 16 anos já tinha clareza sobre qual caminho desejava trilhar profissionalmente. Isso é raro nos dias atuais e faz toda diferença para encurtar o caminho até as realizações.

Parte disso só foi possível porque tive um problema de saúde aos 12 anos de idade que me forçou permanecer na cama durante meses, tendo a companhia de livros e enciclopédias (emprestados de vizinhos e familiares).

Essas leituras me mostraram um mundo que eu desconhecia, e que foi essencial no desenvolvimento da minha visão e no direcionamento de minha vida. A outra parte veio na época eu cursava o Ensino Médio em uma Escola Pública.

A instituição promoveu uma palestra sobre Carreira, Futuro e Sucesso e diferente dos demais colegas de sala, eu simplesmente amei.

Embora muitos conceitos fugissem à minha compreensão, uma ideia ficou fixa em minha mente: “quanto antes você decidir o que você quer fazer da vida, menos tempo, energia e dinheiro você irá gastar para conseguir e mais feliz você se tornará.”

Aquilo ficou pulando em minha mente, feito milho de pipoca em óleo quente. Os livros também me tornaram admirador da cultura japonesa, e isso me levou a conhecer o IKIGAI, e através disso o meu Propósito.

Uma ferramenta simples que proporciona um processo profundo de reflexão sobre nós mesmos. Ikigai pode ser traduzido como Razão de Viver. Essencialmente, qual é a fonte de sua motivação diária? Sugiro que se você não conhece a ferramenta, busque entender o diagrama dos quatro elementos. Buscar seu Ikigai é como encontrar o emprego de seus sonhos. Imagine combinar “o que você ama”, “o que você é bom”, “o que o mundo precisa”, e o melhor “pelo que você pode ser pago”.

Muitos duvidam e me perguntam se isso é mesmo possível. Se você realmente se comprometer com a ferramenta e o exercício, isso é perfeitamente realizável. Talvez isso leve dias ou anos para dar certo, mas se você encontrar onde esses pontos se encontram, você estará pulando da cama todos os dias para viver seu Propósito.

Alguém que possui um Propósito definido sabe exatamente o “porquê” de fazer o faz, o motivo que o leva a realizar suas atividades, e portanto, excelência e produtividade sempre estarão atreladas ao cotidiano dessa pessoa.

O indivíduo se realiza e a empresa ganha em engajamento, comprometimento e produtividade.

Não vale a pena se enganar com algo que você não se conecta verdadeiramente conosco (embora saibamos que para grande parte dos profissionais isso ainda seja aceitável).

O encontro do Propósito possui uma frequência elétrica e contagiante, e por mais difícil e repleto de provações que um caminho se apresente, sempre haverá motivos para continuarmos a percorrê-lo.

8- Em tempos de home office, trabalho híbrido e o clima de insegurança, medo e isolamento social gerado pela recente pandemia, como um líder pode manter sua saúde mental e de que forma pode contribuir para a saúde mental da equipe e colaboradores em geral?

Quando você de torna um Líder, a vida e o bem estar de outras pessoas são agora sua responsabilidade. Suas decisões podem gerar desacordos, conflitos e desgastes emocionais. As incertezas podem sobrecarregar quem exerce cargo de Liderança, especialmente se estiver trabalhando demais e não tiver tempo suficiente para família e para cuidar da saúde.

Sempre digo que Líderes conscientes percebem o investimento na saúde mental e emocional de si mesmo e de sua equipe como uma boa medida de prevenção e da manutenção da produtividade.

Transtorno de ordem mental é a principal causa da incapacitação de adultos (entre 15 e 44 anos) nos EUA, e já é o terceiro motivo no Brasil conforme dados do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) no ano passado. As doenças ocasionadas por uma saúde mental abalada custam à economia do mundo 1 trilhão de dólares (quase 5 trilhões de reais). São mais de 300 milhões de pessoas afetadas de algum modo por perturbações mentais que acabam afastadas do trabalho.

Acredito que é do interesse de todos, especialmente dos Líderes, conectar os funcionários afetados mentalmente aos cuidados que realmente precisam.

Portanto, uma boa empresa deve garantir que seus funcionários tenham acesso a um suporte que trate desse tipo de problema, mesmo que eles não desejem compartilhar isso com seus Gestores.

Todos nós podemos tomar medidas para melhorar nossa saúde mental e fortalecer nossa capacidade de lidar com a adversidade. O autocuidado é uma habilidade que precisa ser praticada por Líderes e incentivada em seus liderados.

É um desafio, especialmente se nos sentimos ansiosos, deprimidos ou com a autoestima em baixa. Além disso, um bom Líder deve ter em mente 3 estratégias simples e possíveis de realização para promover a saúde mental de seu time e assim contribuir para saúde organizacional geral.

  • 1- Falar sobre os sentimentos: isso ajuda a lidar com momentos em que nos sentimos incomodados. Comentar sobre nossos sentimentos é encarado por muitos (especialmente homens) como uma fragilidade, um paradigma a ser superado. Falar sobre o que se sente é parte de cuidar de nosso bem estar e fazer o que pudermos para nos manter saudáveis. É preciso quebrar essa barreira, e o Líder pode ser um incentivador disso.

 

  • 2- Realizar atividade física: o exercício regular aumenta a autoestima e ajuda na concentração, e no sono. Discursos comovem, exemplos arrastam. Já testemunhei muitas situações nas quais um Líder despertou para exercícios físicos e levou com ele muitos da equipe. A disposição física é algo que contagia.

 

  • 3-Manter contato social: manter o equilíbrio profissional e pessoal, inclui fazer contato com as boas amizades e familiares, principalmente quando o volume de trabalho é intenso. Estudos indicam que a solidão pode ser tão nociva para nossa saúde quanto fumar ou sofrer de obesidade. Líderes preocupados com seus colaboradores podem e devem incentivar a socialização, os encontros, as boas conversas, e as relações de afeto.

9-Comenta-se muito atualmente, acerca da mudança de paradigmas em relação à figura do chefe, que para alguns, hoje deve ser denominado como líder e também adotar uma mudança de postura, muito mais pautada numa figura humanizada. Porém, há uma parcela de profissionais que acreditam que chefe e líder são a mesma coisa e que não se faz necessária a diferenciação da nomenclatura. Dito isso, gostaríamos de saber de você: A- Líder e chefe é ou não a mesma coisa?

Um Chefe gerencia (muitas vezes até microgerencia) seus funcionários, enquanto o Líder os inspira a inovar, pensar criativamente e buscar a perfeição. Toda Equipe tem um Chefe, mas o que as pessoas precisam hoje mais que antes, é de um Líder que as ajude a alcançar a grandeza e desenvolver seu verdadeiro potencial.

De maneira bem simples, vejo as diferenças básicas do seguinte modo: O Líder tem mente aberta, um Chefe acha que já sabe tudo. O Líder Colabora, um Chefe manda. O Líder capacita, um Chefe cobra dos funcionários a capacitação.

O Líder assume a responsabilidade, um Chefe tenta achar a culpa nos outros. O Líder dá o exemplo, um Chefe faz das pessoas um exemplo.

E você leitor, é um Chefe ou é O Líder? O mercado competitivo de hoje exige que você produza resultados extraordinários, e como você escolhe fazer isso é uma decisão somente sua. Sugiro que para quem ainda não tem clareza sobre em qual categoria se encaixa, basta responder as seguintes perguntas:

– Faço o meu melhor para garantir que a voz de todos seja ouvida?

-Priorizo meu autodesenvolvimento e o crescimento continuo em minha área?

-Ajudo minha equipe a aprender com os erros?

-Procuro ativamente desenvolver os talentos inexplorados dentro de minha equipe?

-Ajudo os outros a atingir seu potencial?

-Ouço mais do que falo?

-Eu mantenho os padrões que estabeleci para minha equipe? Se você respondeu “sim” com sinceridade à maioria ou todas essas perguntas, então você é de fato o Líder. Se não, examine as áreas em que respondeu negativamente e considere o que e como pode melhorar.

B- Em relação ao papel de um líder no cenário atual, quais características ele deve nutrir e aprimorar, para extrair o melhor de sua equipe e obter resultados não menos do que extraordinários?

O que vou comentar não tem nada de novo, mas tem de não praticado pelas pessoas que possuem cargo de Gestão. Se alguém em posição de Liderança colocar em prática, mesmo que com simplicidade, porém com disciplina o que irei citar, certamente alcançará resultados significativos.

1 – Ter clareza de objetivos, intimamente ligados às prioridades da equipe e da organização;

2 – Definir funções e responsabilidades de modo claro;

3 – Levar os liderados a entenderem como o trabalho de cada um deles se encaixa na missão organizacional;

4 – Comunicar-se de forma simples, clara e respeitosa;

5 – Gerenciar os trabalhos individuais e os prazos com base nas prioridades;

6 – Confiar na equipe e respeitar as diferenças individuais;

7 – Celebrar o sucesso coletivo, reconhecer as contribuições individuais e comemorar as conquistas, mesmo que pequenas;

8 – Praticar e incentivar a Aprendizagem Continua.

10- É comum dentro das empresas, relatos de indivíduos que se queixam do desequilíbrio entre a esfera pessoal e profissional, mais precisamente, que estão sobrecarregados no trabalho e por isso, estão negligenciando momentos com família e amigos, por exemplo. Isso acontece também com gestores, líderes e empreendedores. Diante dessa realidade, ao seu ver, como é possível desenvolver a capacidade de encontrar o ponto de equilíbrio entre a vida profissional e pessoal? Ou isso é uma utopia?

É totalmente plausível, e muitas empresas conseguem fazer isso com maestria. Afinal os empregadores que estão comprometidos em fornecer ambientes que suportem o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal para seus funcionários sabem que isso pode economizar custos, sofrer menos casos de ausência de funcionários e desfrutar de uma força de trabalho mais leal e produtiva.

Pra mim equilíbrio entre vida profissional e pessoal é menos sobre dividir as horas de seu dia igualmente entre trabalho e casa, e em vez disso, é sobre ter a flexibilidade de fazer as coisas em sua vida profissional enquanto ainda tem tempo e energia para desfrutar de sua vida pessoal.

Têm alguns pontos que acredito serem indispensáveis para que isso aconteça. Primeiro e mais importante: Encontre um trabalhe que você ame! Isso será responsável pela maior parte dessa equação de equilíbrio.

Você não precisa amar todos aspectos do seu trabalho, mas precisa ser emocionante o suficiente para que você tenha razões para sair da cama todas as manhãs.

Outro ponto necessário é aceitar que não existe um equilíbrio “perfeito” entre vida profissional e pessoal. O que mais ouço das pessoas quando pergunto o que elas entendem por “equilíbrio entre a vida profissional e pessoal”, é que imaginam um dia extremamente produtivo de trabalho e sair no horário para passar as outras horas do dia com familiares e amigos. Embora isso possa parecer o ideal, nem sempre é possível. Quer uma dica?

Não se esforce pelo cronograma perfeito, esforce-se por um cronograma realista. Um outro aspecto é permitir se desconectar.

Cortar os laços com o mundo exterior de quando em vez permite nos recuperar do stress diário e nos dá espaço para que surjam outros pensamentos e ideias de outra natureza, que diferentemente do que muitos imaginam, ajudam a ter mais criatividade no trabalho.

Tirar férias é certamente um ponto que ajuda imensamente para que o equilíbrio aconteça. A verdade é que não há nobreza em não tirar um merecido tempo do trabalho. Já presenciei conversas em que colegas de trabalho travam uma verdadeira batalha moral para ver quem não tira férias há mais tempo, como se isso fosse um troféu a ser exibido com orgulho.

Os benefícios de tirar folga superam em muito as desvantagens. Com planejamento adequado, é possível tirar um tempo sem se preocupar ou sobrecarregar os colegas, ou mesmo ter que enfrentar uma enorme carga de trabalho quando voltar.

11- Para manter uma carreira em ascensão, evoluir e escalar novos patamares, de zero a dez, qual a importância da Inteligência Emocional?

Dez com louvor! O American Journal (respeitado veículo de comunicação nos Estados Unidos) realizou uma pesquisa no ano passado que revelou a importância da Inteligência Emocional para o ambiente de trabalho.

A publicação relatou que a pessoa que possui Inteligência Emocional desenvolvida aumenta a capacidade de tomar decisões sensatas, construir e sustentar relacionamentos colaborativos, lidar efetivamente com o estresse e absorver com mais naturalidade um maior grau de mudanças constantes.

Portanto, fica fácil concluir que um profissional que possua a competência Inteligência Emocional avançada certamente será percebido por uma organização como um Talento a ser oportunizado.

12-Você é um nome considerado como fonte de inspiração para muitas pessoas. Dentro da sua esfera de atuação, você citou alguns nomes como referências. Comente um pouco sobre o que você aprendeu com cada uma dessas pessoas:

Simon Sinek – conheci o Simon ao assistir um TEDx há muitos anos e me identifiquei com tudo que ele demonstrava acreditar. A frase que me impactou na época e me tornou leitor assíduo de suas obras foi “as pessoas não compram ‘o que’ você faz, elas compram o ‘porque’ você faz”. Profundo isso não? Impossível não refletir diante dessa afirmação. Busco colocar isso diariamente em prática em minha empresa.

Elon Musk – é simplesmente o homem mais rico e influente do mundo! Desde que ouvi falar de Elon, dedico sempre algum tempo para acompanhar os passos desse gênio.

Atualmente estou lendo a biografia de Elon Musk escrita por Ashlee Vance. É incrível como ele consegue ser altamente produtivo nos negócios e ao mesmo tempo dedicado à família (quer aprender sobre equilíbrio entre vida profissional e pessoal que já comentamos nessa entrevista? Leia esse livro).

Elon, como vários homens bem sucedidos, já teve seus dias de fracasso e derrota. Em dias difíceis lembro-me do que ele diz: “Se você for capaz de superar o ego ferido e entender as lições dos fracassos do passado, você irá longe. Se você não consegue, você não vai. Simples assim.”

Bob Proctor – conheci essa lenda do Desenvolvimento Humano em 2006 em razão do filme “O Segredo”, um fenômeno na época. Encantou-me a maneira simples e direta com que ele explicava conceitos tão complexos.

Bob me ajudou e ainda ajuda a entender de maneira mais profunda e prática o funcionamento da Mente Humana e a importância dos Paradigmas em nossa competência comportamental.

Atualmente percebo que evoluí ao revisar muitas crenças e ressignificar muitos conceitos em minha vida, e certamente isso se deve ao Mestre Bob Proctor.

Napoleon Hill – Ele é simplesmente o autor de Long Sellers (livros que nunca pararam de vender) mais vendidos em todos os tempos. Ele é autor de títulos como “Pense e Enriqueça”, “Mais Esperto que o Diabo”, “ A Chave Mestra da Riqueza” entre outros.

A Obra desse visionário não é fictícia. São ensinamentos práticos de observações e pesquisas realizadas ao longo de duas décadas, entrevistando quase 20 mil pessoas e os 500 homens mais ricos dos EUA na época (incluindo Henry Ford, Thomas Edison, Andrew Carnegie entre outros).

Eu não leio os livros de Hill, eu estudo diariamente para que eu absorva cada conceito e os coloque em prática. Implementei muitos conceitos que estudo em meus dias, incluindo o Poder da Decisão, Persistência, Autossugestão, Utilização correta da Imaginação, Planejamento Organizado em tudo que realizo.

Certamente devo à literatura de Napoleon Hill a visão que adquiri.

Joseph Murphy – Como profissional dedicado ao estudo do Comportamento Humano, saber mais sobre o funcionamento de nossa Mente sempre me fascinou. Ao conhecer a obra ‘O Poder do Subconsciente’ tudo ficou extremamente fácil de ser entendido. Utilizo muitos conceitos do Dr. Joseph Murphy em meus trabalhos, e percebo que as pessoas sentem necessidade de entender mais sobre o funcionamento de nosso Subconsciente e como ele impacta em nossas decisões, comportamentos e resultados.

Tony Robbins – tive contato com o trabalho do Tony por acidente quando estive em um Sebo à procura de livros (que confesso é um espaço que visito com frequência). Mas quando folheei o clássico “Poder sem Limites” e li rapidamente sobre o ‘Processo de Modelar’ o comportamento, foi o suficiente para eu simpatizar com o conteúdo. Robbins ensina a utilizar técnicas para reduzir a curva de do aprendizado e alcançar um nível mais alto de conquista mais rapidamente.

Tenho colocado isso em prática e os resultados são consistentes.

Lair Ribeiro – Dr. Lair Ribeiro é referência em Cardiologia e Neurolinguística no Brasil e através dos ensinamentos repletos de histórias, exemplos, metáforas aprendi a cuidar melhor da minha “conversa interna” (Self Talk), aqueles pensamentos que nos direcionam para o Sucesso ou para o Fracasso, para o Bem ou para o Mal.

Daniel Goleman – Sempre fui criativo e multitarefas – qualidade muito valorizada no mercado – e, portanto, sempre tive facilidade em me distrair. O contato com as obras de Goleman me proporcionaram insights e técnicas para desenvolver o Foco e manter a Atenção.

Hoje consigo entrar em um estado de fluidez e me sentir absorvido completamente por uma tarefa, indispensável para produtividade e alto desempenho.

Ayrton Senna – O ídolo brasileiro de Formula 1 era simplesmente obstinado pelo que ele definia como objetivo, especialmente no âmbito profissional.

Fazia o impossível se tornar realizável, o complexo transparecer fácil. Assistir os Grandes Prêmios não só me permitiu comemorar os títulos de Senna, mas fui influenciado de forma positiva por tudo que ele fazia e dizia.

Uma frase em especial que ele disse me guia: “No que diz respeito ao empenho, ao compromisso, ao esforço, à dedicação, não existe meio termo. Ou você faz uma coisa bem feita ou não faz”.

13- Vamos falar de Networking: como criar conexões que abrem portas e fecham novos negócios?

“Nenhum homem é uma ilha”. Essa frase do poeta inglês John Donne é conhecida mundialmente. O que poucos sabem é a continuação do texto, por isso vou dizer de forma mais completa. “Nenhum homem é uma ilha, completa em si mesma. Todo homem é um pedaço de continente, uma parte da terra firme. Se um torrão de terra for levado pelo mar, toda a Europa fica menor porque perdeu um pouco de si mesma.”

Essa frase fazia sentido no século XVII, e continua atualizadíssima em nossos dias. Existem várias formas e várias teorias que incentivam a realização do Networking. De tudo que tenho lido, visto, testemunhado e experimentado, concluí que existe um princípio básico, um mantra que deve ser seguido: SEJA ÚTIL!

Quando as pessoas em sua rede ficam mais fortes, você também se fortalece. Ao ajudar as pessoas a se tornarem melhores, elas podem estar em uma situação melhor para ajudá-lo no futuro.

Além disso, percebo que pela Lei da Reciprocidade, as pessoas sempre estão mais dispostas e motivadas a retribuir o favor.

Compartilhar conhecimentos e ideias. Facilitar a informação. Promover o trabalho e realizações de sua rede de contatos são meios simples, sem custo que podem gerar oportunidades.

Seja um conector, um facilitador, e o retorno do benefício será certo.

14- Há um ditado que diz: quem desiste não faz história. Conta pra gente: como seguir adiante nos dias em que tudo dá errado?

Mesmo em dias menos bons, existem situações e acontecimentos que são positivos, e precisamos propositalmente lembrar disso.

Já tive e tenho pensamentos negativos disputando minha atenção, mas assim que os percebo volto conscientemente aos hábitos que criei ao longo do tempo que me mantém forte e motivado, e vou compartilhar com vocês maneiras de continuar esperançoso em meio aos dissabores do dia-a-dia.

1-Use o poder da escolha. Não importa quais sejam as circunstancias, nós temos o Poder de Escolher nossa direção e como usar nossa energia. Você pode optar por usar sua energia de maneira positiva e produtiva ou de maneira negativa e destrutiva. De qualquer forma, as escolhas que você faz agora determinarão seu futuro.

2- Aceite o que é, não importa o que aconteça. Pratique não rotular mentalmente o que acontece de bom ou ruim. Aceitar o que é, em vez de julgar o que aconteceu nos coloca em um estado de não resistência interior.

Vamos continuar querendo mudar a situação, mas teremos uma atitude mais calma, e qualquer ação que tomemos para melhorar a situação será mais sensata e eficaz.

3-Pratique a gratidão. Além de melhorar nossa vida cotidiana, perceber coisas pelas quais temos gratidão nos ajuda a lidar com tempos difíceis, mostrando-nos uma perspectiva mais ampla que ajuda a nos sentir menos sobrecarregados pelas circunstancias difíceis.

Ao agradecermos por algo, por mais insignificante que seja, gera um sentimento de alegria que nos fortalece para enfrentar os momentos mais difíceis.

4-Neutralize o negativo. Na maioria das vezes nosso pensamento é dirigido por nosso ‘critico interior’, que só diz coisas desanimadoras. Mas quando prestamos atenção podemos reconhecer pensamentos prejudiciais e transformá-los em ideias positivas e úteis. Sempre questione as imagens negativas de sua mente.

Quando isso se tornar um hábito, descobrimos que os pensamentos negativos perdem o poder de nos perturbar, e com o tempo podemos soltá-los mais facilmente e nossa mente fica mais calma, facilitando nossa busca por soluções mais inteligentes e efetivas.

5- Perdoe a si mesmo e aos outros. O verdadeiro perdão significa que aceitamos a realidade do que aconteceu sem manter uma carga emocional pendente, liberando o ressentimento tóxico que machuca nossa alma. O perdão, quer sejamos autores ou vítimas, libera-nos para seguir em frente com a vida e experimentar níveis mais altos de paz interior.

15- Como enxergar as barreiras que nos impedem de crescer? E o que fazer para superá-las?

Crescimento é algo intrínseco à humanidade. Fomos criados para crescermos. Nascemos com centímetros e com o passar do tempo, sendo alimentados adequadamente, expandimos ossos, músculos e órgãos. Todos queremos continuar crescendo na vida.

Não me refiro no sentido físico, mas em termos mental e de capacidade de realização e conquista.

Possuímos capacidade infinita para realizar coisas grandiosas. Todos nós, sem exceção. A dificuldade está na mentalidade. Essa é a maior barreira para o aprendizado e, consequentemente, para o crescimento.

Em uma de minhas palestras com o tema ‘O Poder de Si Mesmo: Autoconhecimento e Autoconfiança’, exploro a trilha dos “autos” para superarmos nossos limites e conquistarmos a Autorrealização. Autoconhecimento — Autoimagem — Autoestima — Autoconfiança — Autorrealização.

Em uma questão anterior afirmei que a melhoria constante na tomada de decisão, passa necessariamente pela melhoria da compreensão de si mesmo.

Assim como precisamos nos alimentar adequadamente para que nossa estrutura física cresça, igualmente precisamos alimentar nossa mente com ideias, pensamentos e crenças de boa qualidade para que nossa Vida se expanda.

Ralph Waldo Emerson disse com sabedoria:

“De que adianta fazer votos heroicos, se é o mesmo velho infrator que irá mantê-los?”

Se não estamos felizes com nossos Resultados, e isso é fácil de identificar, devemos mudar, buscar outras alternativas.

Aprofundar nosso Autoconhecimento para identificar o que nos estaciona e acionar o que nos impulsiona; Melhorar nossa Autoimagem para nos percebermos capazes; Aumentar nossa Autoestima para gostarmos mais de nós mesmos; Desenvolver nossa Autoconfiança para buscarmos o que realmente desejamos nos impulsiona em direção à nossa Autorrealização.

16- Gratidão pela sua atenção e por compartilhar seu conhecimento conosco e leitores. O espaço é seu para deixar um recado.

Estou lisonjeado com essa oportunidade. Agradeço imensamente esse bate-papo agradável e produtivo que me fez revisitar muitos conceitos e ideias.

As perguntas que elaboraram foram genais! Parabéns pelo trabalho que vocês têm desenvolvido. Para concluirmos essa conversa vejo a necessidade de reforçar a importância de se ter uma Autoimagem Vencedora.

Uma frase do escritor inglês Aldous Huxley, autor do Clássico ‘Admirável Mundo Novo’, revela o segredo para continuarmos avançando:

“Existe apenas um canto do Universo que você pode ter certeza de aperfeiçoar, que é você mesmo”!

Quando realizo Palestras e Treinamentos, Autoconhecimento é a palavra que possivelmente as pessoas mais ouvem.

Nunca o “Conhece-te a ti mesmo” atribuído ao filósofo Sócrates fez tanto sentido, e adquiriu tanta importância como nos tempos atuais. Para mudarmos o Resultado de nossa Vida, aquilo que acontece fora de nós, sem alterar o que está acontecendo dentro de nós, seria simplesmente tão tolo quanto querer mudar o reflexo de nossa imagem em um espelho sem modificar nossa aparência física. É obvio, é simples, mas não é fácil.

Pesquise sobre os grandes nomes que realizaram pesquisas sobre Potencial Humano, e você rapidamente concluirá que todos nós (incluindo você) possuímos um Potencial Infinito de realização.

Nós fomos abençoados com as mesmas aptidões mentais que Elon Musk ou Ayrton Senna, e o mesmo Poder que flui através deles, flui em nós também.

Dê uma olhada nos Resultados que você está obtendo em sua Vida e se isso não está te agradando, Mude! Se não consegue isso sozinho, busque ajuda, apoio de um profissional, mas avance. Essa é a grande dinâmica da Vida, e a receita da Felicidade.

Escrito por

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Quem palestrou?

Você precisa absorver muito conteúdo mas não encontra tempo para ler?

Milhares de pessoas tiveram uma experiência transformadora ampliando os limites do foco e da memória. Agora é a sua vez!

Clientes