Palestras de Sucesso Entrevista Igor Duarte

1- Dr. Igor Duarte, é com muita alegria que o recebemos no cast dos melhores palestrantes do Brasil. Muito bem-vindo e de início, um tema bem pertinente que quero tocar é a questão da liderança feminina na esfera corporativa.  Você comenta em uma publicação da Revista Cláudia que a mulher de fato tem uma habilidade intuitiva maior do que as dos homens. Partindo desse princípio, isso explicaria o motivo pelo qual temos cada vez mais mulheres em posição de destaque, no sentido de trazer melhores resultados às empresas como líderes?

Qual sua visão sobre o assunto, o que nos diz a Neurociência a respeito e quais mulheres você destacaria no mundo corporativo atualmente?

Dentro de minhas pesquisas, estudei o cérebro feminino e além da intuição, e este possui muitas vantagens que podem justificar o avanço feminino em espaços de liderança, pois suas qualidades vão além do que as empresas almejam. 

O organismo feminino como um todo é mais flexível e essa capacidade de se adaptar com a velocidade que o mercado exige é, a meu ver, um dos fatores que colocam as mulheres numa posição de destaque.

Isso apenas do ponto de vista biológico, podemos passar horas aqui discutindo a melhor capacidade de liderança e organização. A ascensão das mulheres está no universo empresarial com destaque para Luiza Trajano, mas não podemos deixar de destacar o papel de grandes mulheres na Política como Tábata Amaral e no Judiciário como Raquel Dodge e Rosa Webber.

2- Motivação é um tema sempre em alta quando pensamos em negócios.Uma de suas palestras, com o tema Neuromotivação, aborda o impacto negativo do passado e como isso ainda interfere de forma inconsciente nas nossas decisões.

Diante da constatação de que nossa mente pode nos limitar, enfatizando os defeitos e omitindo nossas qualidades, explica pra gente:

O que a gestão e/ou liderança da empresa, deve considerar como estratégia, no sentido de contribuir com a questão motivacional dos funcionários e equipes?

Muitas empresas se consolidaram com um líder tomando decisões individuais, assertivas ou não, não se permitia a participação da equipe. Cada vez mais líderes solicitam a participação da equipe na tomada de decisão. Mais do que motivar, essa lição é valiosa para a formação da nova geração de líderes. É como a lição que o pai dá ao filho lhe permitindo realizar a tarefa. Isso motiva demais.

3- Como indivíduo, o que o profissional que se sente desmotivado pode fazer para encontrar a automotivação?

A motivação é importante, mas sozinha tem validade baixa. Ao se sentir desmotivado, nada melhor que um exercício de trajetória. 

Veja de onde saiu e onde está agora. Faça uma análise estatística e com os resultados verá o quanto cresceu e a partir daí, monte sua estratégia para os próximos passos. Lembre-se, você domina seu cérebro e não o oposto. 

Não estou falando apenas no campo profissional, aqui vale também nos relacionamentos e na saúde. Após o período de dieta, analise o quanto avançou na direção dos seus objetivos. Tenho os meus sem gráficos. Isso me ajuda a entender rápido a informação. É claro que fico muito motivado.

4- O assunto agora é tecnologia na saúde. O que você tem visto de mais impactante em relação às ferramentas tecnológicas para lidar com questões da saúde?

Acompanho o desenvolvimento de ferramentas e técnicas para tratamento e prevenção de doenças, além disso diversos dispositivos estão em desenvolvimento para solucionar doenças de medula e Parkinson com implantes eletrônicos.

Acompanho de perto a inteligência artificial diagnosticando melhor que a mais preparada equipe médica. Análise de exames de imagem, tomada de decisão a partir de machine learning e internet das coisas essas coisas são “coisas” do presente, e não do futuro. Estão aí e devem ser utilizadas para o bem-estar das pessoas.

Aproveitando o gancho, como você observa a questão da saúde no Metaverso? E ainda no tema: o Metaverso é o futuro do universo das palestras corporativas?

O metaverso é a expansão de uma tecnologia já existente que é a realidade virtual, mas que nunca foi aplicada de fato ao mundo corporativo, mas agora ganha força com a possibilidade de se relacionar no ambiente corporativo, mesmo estando você em outro ambiente. Isso não é reunião por zoom, mas sim uma experiência de interrelação do mundo físico com o mundo virtual.

De forma simplista é isso que entendo da tecnologia metaverso.

Em 2019, Michael Jackson fez um show na Billboard Music Awards dez anos após sua morte. A tecnologia holográfica permitiu tal façanha, agora por que não levar a tecnologia para as apresentações corporativas. Em 2020 fiz inúmeras apresentações utilizando as ferramentas online disponíveis e deu muito certo. Sou um entusiasta desses eventos. Se pintar uma palestra com essa tecnologia, por favor, lembre-se de mim.

5- Nunca se falou tanto sobre saúde mental no ambiente de trabalho.

A pandemia e a aceleração do trabalho remoto, dominou as pautas sobre o assunto e ainda desperta a atenção. Como você observa o fenômeno do home office e trabalho híbrido, e as eventuais “sequelas” que muitos carregam, em relação ao fator do isolamento social, períodos de incertezas, sobrecarregar com tarefas de casa e do trabalho, etc?

Somos seres sociáveis, ponto! Evoluímos interagindo com outros da mesma espécie de espécies diferentes. Quem é o melhor amigo do homem/ da mulher? O cachorro. O trabalho remoto deve ser uma alternativa e não a única opção, caso contrário, teremos problemas pela falta de interação. 

Já existem dados sobre pessoas que estão com dificuldade para se comunicar verbalmente, devido à não-socialização. Não sei que tipo de problema isso pode trazer, mas precisamos de mais dados para migrarmos para o Home Office de forma segura. Vejo o híbrido com bons olhos. 

Nesse caso, a interação sempre vai existir e com isso os benefícios desta relação.

A cobrança por produtividade em um momento tão conturbado como esse cenário, se justifica ao seu ver?

O período de pandemia gerou o que estão chamando de cérebro pandêmico. Mesmo pessoas que não tiveram a doença, estão relatando perdas de capacidade, seja ela pelo medo excessivo que tivemos, seja ela pela sobrecarga evidente que ocorreu nesse período. Seja como for, é certo que o trabalho Home Office trouxe consequências e deve ser observado bem de perto.

6- O bem-estar dos colaboradores da empresa é fator determinante para o sucesso de um negócio, na medida em que colaboradores adoecidos geram perdas para a companhia.

Sendo assim, uma empresa que além de promover um ambiente de trabalho positivo, saudável, com políticas voltadas ao bem-estar do material humano, invista em palestras que tratem de temas educativos sobre medidas preventivas de doenças e promoção da saúde, se destaca no mundo corporativo.

Conta pra gente qual tem sido o impacto de suas palestras que tratam temas de saúde, e quais temáticas merecem maior atenção?

Os líderes das grandes corporações entenderam que investir no seu time é o melhor negócio. O colaborador que se sente bem fisicamente tem energia para produzir e o mais importante, para criar. A mente criativa desaparece com o estresse. Somente com educação conseguimos mudar a cultura empresarial e com isso trazer melhor qualidade aos colaboradores. É um investimento de retorno garantido.

7- A crise pode ser o combustível para o sucesso? Quais estratégias adotar neste sentido?

Ninguém gosta de crise, é fato! Gostamos do conforto. Mas o conforto é improdutivo. A crise é cruel, mas é dela que vem as grandes revoluções. Soichiro Honda perseverou na crise, Chris Gardner é outro exemplo ilustrado no filme A procura da felicidade.

O grande clube de futebol Corinthians conseguiu o tão sonhado mundial após ter sido rebaixado anos antes. Eu como brasileiro não podia deixar de falar do futebol.

A rotina nos molda a pensar de uma forma muito parecida e recorrente, quando algo sai do controle, como uma crise inesperada, ativamos outras redes neurais e a partir de então tendemos a raciocinar de um modo diferente e novas soluções são possíveis.

 Uma crise nos força a olhar para a mesma coisa de um ângulo diferente.

8- Relacionamento profissional e afetivo entre homens e mulheres: de que forma podemos alcançar maior compreensão das necessidades emocionais e sociais de cada um e melhorarmos nas relações interpessoais?

Vivemos a era da comunicação e é quase um consenso que as mulheres se comunicam melhor em todos os sentidos. Nos relacionamentos, a maior falha está justamente na falta de comunicação. 

Os homens estão entendendo agora que quando a esposa vai arrumar o cabelo, ela na verdade está tentando se comunicar com ele. Se ele não dá importância, a comunicação iniciada não prospera.

Já disse aqui que os tecidos femininos são mais flexíveis e percebo isso também nas relações profissionais. 

As mulheres se adaptam a qualquer setor rapidamente e passa a liderar. Se o colega de trabalho entende esse potencial, toda equipe também decola. 

Faço um convite, deixe uma mulher liderar a equipe por uma semana e verá uma revolução. Quem lê esse material provavelmente já leu ou ouviu que um homem criou o motor do carro, mas poucos sabem que quando o carro estava se movendo uma mulher indagou. Como isso vai parar? Estavam tão presos à invenção que nem perceberam a importância do freio. Toda vez que pisar no freio do seu carro, lembre-se que foi uma invenção feminina.

9- Em uma época de imediatismos, conta pra gente: como envelhecer bem?

Com muita estratégia. A todo instante estamos sendo influenciados pela internet, pelos amigos, pelos familiares. Às vezes tendemos a fazer coisas que na verdade não queremos, pois há uma pressão social neste sentido.

Num happy Hour, os colegas tendem a estender o encontro e você não é obrigado a acompanhar. Deve ter em mente que as horas de sono são sagradas. O mesmo vale para a alimentação. Lembre-se que é você quem decide sobre suas escolhas.

10- Em uma pesquisa feita pela equipe da Palestras de Sucesso no Linkedin, sobre temas de palestras mais necessários em uma empresa, o tema trabalho em equipe obteve a maioria esmagadora dos votos. 

Você, como um profissional que tem contato direto com a esfera corporativa, quais as principais dores que você tem observado nas empresas, em relação ao tema e quais soluções os gestores têm adotado com sucesso?

As palavras resiliência e felicidade estão sempre na pauta e devem sim estar, mas o problema a ser enfrentado pelas equipes refere-se ao que Freud chamou de ego. Cada um tem sua personalidade, suas experiências e seus desejos próprios que irão se manifestar sempre que exigidos.

Por isso as corporações estão em busca do profissional polivalente que tem acesso em diversas equipes e mantém comunicação com todas, extraindo o melhor de cada membro sem deixar que isso se torne tóxico na relação profissional.

Aos poucos, os membros da equipe passam a reconhecer a qualidade coletiva e a qualidade individual, o ego, tende a ser contido. Os resultados aparecem e os conflitos estéreis somem.

11- Quais os benefícios da Neurocomunicação no trabalho em equipe?

Um bom comunicador precisa ter algumas qualidades que podem ser adquiridas. Uma das principais é a história a ser contada. Por mais importantes que seja a informação, se não tiver um enredo, torna-se cansativa ao espectador e isso fecha o canal de comunicação.

Quem nunca participou de uma reunião apenas para cumprir o protocolo?

Por outro lado, quando a informação a ser passada obedece uma ordem, passa a fazer sentido para o espectador e o canal de comunicação se mantém aberto. Outras dicas importantes sobre neurocomunicação, faço em uma de minhas palestras. Desculpe, mas não podia deixar de vender meu peixe aqui.

Escrito por

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Quem palestrou?

Você precisa absorver muito conteúdo mas não encontra tempo para ler?

Milhares de pessoas tiveram uma experiência transformadora ampliando os limites do foco e da memória. Agora é a sua vez!

Clientes